TÉCNICAS RESPIRATÓRIAS DO YOGA TÊM EFEITOS SEMELHANTES A MEDICAMENTOS PSIQUIÁTRICOS

TÉCNICAS RESPIRATÓRIAS DO YOGA TÊM EFEITOS SEMELHANTES A MEDICAMENTOS PSIQUIÁTRICOS

Inspire profundamente, expandindo a barriga. Faça uma breve pausa e em seguida solte o ar bem devagar. Repita esse procedimento 5 vezes. Parabéns. Acabou de acalmar o seu sistema nervoso. (Se quiser ter uma experiência mais profunda com técnicas respiratórias do yoga, não deixe de ler o artigo até o final.)

Está provado e é cada vez mais evidente que a respiração controlada, como a que acabou de fazer agora, reduz o stress, aumenta o nível de autoconsciência e melhora o sistema imunitário. Ao longo de séculos, os yoguis têm usado técnicas de respiração controlada – pranayamas, para promover a concentração e melhorar a vitalidade.

Estudos comprovaram, por exemplo, que as práticas de respiração podem ajudar a reduzir os sintomas associados à ansiedade, a insónia, transtorno de stress pós-traumático, a depressão e o déficit de atenção, corroborando assim, a experiência de inúmeros praticantes.

A maneira como a respiração controlada promove a cura tem sido alvo de estudos científicos. Uma teoria defende que pode mudar a resposta do sistema nervoso autónomo do corpo, que controla processos inconscientes tais como a frequência cardíaca e a digestão, assim como a resposta do corpo ao stress, explica Richard Brown, professor clínico associado de Psiquiatria da Universidade de Colúmbia e co autor do livro “The Healing Power of the Breath” (O Poder de Cura da Respiração).

Mudar conscientemente a maneira como respiramos parece enviar sinais ao cérebro para equilibrar o sistema parassimpático do sistema nervoso, que pode diminuir a frequência cardíaca e a velocidade da digestão e promover uma sensação de calma, e também ao sistema simpático, que controla a libertação das hormonas do stress, tais como o cortisol.

Muitas doenças, como a ansiedade e a depressão, são desencadeadas ou agravadas pelo stress. “Já vi pacientes transformados depois de adotar práticas regulares de respiração”, conta Brown e complementa afirmando “Quando respiramos de maneira lenta, pausada e constante, o cérebro recebe a mensagem de que está tudo bem e ativa a resposta parassimpática. Quando fazemos respirações curtas e rápidas ou retemos a respiração, a resposta simpática é ativada.

Chris Streeter, professora associada de Psiquiatria e Neurologia da Universidade de Boston, terminou recentemente um pequeno estudo em que mediu os efeitos da prática diária de yoga e respiração controlada, em pessoas com diagnóstico de depressão grave.

Após 12 semanas de yoga e técnicas de respiração adequadas, os sintomas de depressão dos participantes diminuíram significativamente e os seus níveis de ácido gama-aminobutírico, uma substância química do cérebro que possui efeitos calmantes e que controlam a ansiedade, aumentou.

A pesquisa foi apresentada em maio no Congresso Internacional de Medicina e Saúde Integrativa em Las Vegas. “Os resultados deixaram-nos entusiasmados. Eles mostram que uma intervenção comportamental pode ter efeitos de magnitude semelhante a um antidepressivo.”

Fonte: The New York Times