3 maneiras de nos sintonizarmos com a beleza que nos rodeia

3 maneiras de nos sintonizarmos com a beleza que nos rodeia

Todos temos momentos de impaciência, frustração, stress e ansiedade – não é novidade para ninguém – ora a prática de Mindfulness é um ótimo apoio na tentativa de desacelerar os pensamentos e poder observar e apreciar verdadeiramente o mundo.

Partilho consigo três sugestões que podem ajudar a desfrutar de momentos de beleza que nos abrem a forma como vivemos o mundo:

  • Tire o pé do acelerador. O medo de podermos deixar cair uma das muitas bolas que queremos manter no ar, mantém-nos em constante movimento, pelo que passamos por algumas das experiências cruciais da vida sem as vivermos plenamente. Com a prática T.O.P., tomamos consciência do que se passa à nossa volta ou dentro de nós, centramo-nos, fazendo algumas respirações conscientes, e depois prosseguimos.

Uma tomada de consciência que nos ajuda a promover a compaixão e uma certa ternura quando precisamos de reduzir os níveis de stress

O acrónimo STOP é uma das mais conhecidas e acarinhadas práticas de Mindfulness – É super simples:

S – Páre

T – Traga a atenção para a respiração e Respire fundo

O – Observe o que se está a passar

P – Prossiga

Isto pode ser feito em qualquer altura do dia, sempre que se lembrar. É uma tomada de consciência, um “Reality-check” do que se está a passar à sua volta ou dentro de si. Faça uma pausa com algumas respirações conscientes, e depois regresse ao seu dia com mais clareza e em presença.

  • Saia da sua rotina. Tenho a certeza de que já se apercebeu várias vezes de estar em piloto automático, estou certa?

Estique as pernas. Pelo simples acto de se levantar e dar um passeio/volta, tem a oportunidade de “criar uma relação com momentos de paz, com os pequenos prazeres e as qualidades do momento presente. Existe uma expressão inglesa que descreve o muito bem –  “Smell the Roses”.

  • Abra-se à gratidão. “O cérebro está formatado para se habituar às coisas”, diz-nos o professor Elisha Goldstein – o que significa, especialmente durante o confinamento, que nos podemos habituar de tal forma a estar perto das mesmas pessoas e do mesmo ambiente, que estes quase se desvanecem para 2º plano. Goldstein recomenda esta prática diária que nos ajuda a expressar gratidão e a reprogramar a mente para apreciar quem nos rodeia e os muitos momentos de beleza à nossa volta.